Nenhuma Novidade a esse Respeito

É uma instalação coreográfica que se faz no encontro da obra do poeta Torquato neto, com o mito lendário do cabeça-de-cuia, ícone identitário da cidade de Teresina, terra natal do poeta.


Torquato neto foi um dos mais influentes artistas do movimento tropicalista brasileiro, escreveu poemas, crônicas e letras de musicas sob o impacto da ditadura militar no Brasil dos anos 70. Ao completar 28 anos de idade se trancou no banheiro e ligou o gás, tirando a própria vida. Deixou uma carta que dizia “paro por aqui, pra mim chega”.


O cabeça de cuia é uma figura-chave do folclore popular de Teresina. Um pescador que se transforma em monstro, depois de ter sido amaldiçoado pela mãe, por ele a ter golpeado com um osso de boi. Vive submerso nas águas do rio Parnaíba e só aparece na superfície em noites de lua cheia, quando se vê uma grande cuia emergir das aguas para assombrar os habitantes da beira do rio.


A instalação traz a tona três corpos em situação limite, destituindo o mito e a maldição, entre o desejo de vida e o pacto com a morte. submersos como em um estado de tortura, afogados por um poder que os massacra, asfixiados sob uma restrição que os desumaniza, essas figuras frágeis e solitárias - poeta e monstro – são o próprio emblema do mal que perdura na carne, e que anuncia tempos sombrios em um Brasil que retrocede e pede a volta da ditadura militar.


Nenhuma Novidade a esse Respeito aconteceu na terceira edição do projeto In-Drama na Casa França-Brasil, na cidade do Rio de Janeiro, em dezembro de 2014.


Concepção e Coreografia Marcelo Evelin Com Jacob Alves, Adolfo Severo, Alexandre Santos

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
1622778_10204632969440874_4178126605587329789_n.jpg
1622778_10204632969440874_4178126605587329789_n.jpg
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom